Blog

Gerenciamento de resíduos em instituições de saúde: saiba todas as normas!

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é responsável por elaborar o conjunto de normas referentes ao gerenciamento adequado de resíduos em instituições de saúde, o qual recebe a denominação de Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde. Essa regulamentação tem por objetivo reduzir os riscos ambientais e sanitários, na medida em que também estimula a qualidade de vida, a saúde da população e os cuidados com o meio ambiente.

Assim, para que o conjunto de normas atenda aos objetivos desejados, os procedimentos foram desenvolvidos a partir de estudos científicos, técnicos e legais, de modo facilitar o gerenciamento de resíduos e seu posterior encaminhamento seguro e eficiente.

Cabe apontar também que, além da preservação da saúde pública, o procedimento elaborado também compreende a segurança dos trabalhadores envolvidos.

Confira abaixo como sua instituição pode se adequar aos procedimentos exigidos:

Medidas adotadas para o Gerenciamento de Resíduos

A Resolução RDC nº 222/2018, publicada em 28 de março de 2018, determina as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde. Logo, essas normas devem ser aplicadas em todos os serviços cujas atividades mantenham relação com cuidados à saúde, seja ela humana ou animal. Estão incluídas, portanto, as instituições públicas ou privadas, militares, civis ou filantrópicas, bem como aquelas envolvidas com ações de pesquisa e ensino.

A norma também determina que cabe às instituições geradoras de resíduos a composição, implantação, execução, assim como o monitoramento do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

No que se refere ao gerenciamento de resíduos que não apresentam quaisquer riscos biológicos, radiológicos ou químicos, podem ser enviados para a reciclagem, reutilização, compostagem, recuperação, logística reversa ou aproveitamento energético. Esses resíduos também podem ser encaminhados para outros fins, contanto que estes sejam ambientalmente adequados. Os demais resíduos, os quais compõem grupos de risco, são detalhadamente tratados nos anexos I e II da RDC 222/2018.

Recomendamos que reserve um tempo para conferir todos os procedimentos necessários, diretamente da versão comentada disponibilizada pela Anvisa.

Lá você encontrará todas as ações necessárias para realizar o gerenciamento de resíduos. Juntamente com o detalhamento dos grupos de risco que precisam de um descarte específico. Dessa forma, você garantirá que a sua instituição se mantenha livre de problemas judiciais. Além de garantir que seus pacientes tenham acesso a um serviço de saúde de qualidade.