Blog

Como faço para calcular o estoque mínimo?

Cada instituição de saúde deve definir seus próprios níveis de inventário, a fim de garantir que estejam sempre adequados às necessidades do hospital. Há uma relação direta entre níveis de estoque e desperdício ou falta de suprimentos indispensáveis. Por essa razão, o estoque mínimo é um cálculo fundamental para manter o bem-estar tanto dos pacientes atendidos quanto da própria empresa.

O estoque mínimo é também conhecido como estoque de segurança ou estoque reserva. Isso porque esses produtos funcionam como uma garantia destinada a atender eventuais emergências e imprevistos, tais como atraso da entrega de suprimentos hospitalares pelo fornecedor ou devido a um aumento incomum de demanda, por exemplo.

Assim, quando os níveis do inventário caem abaixo da quantidade estabelecida pelo estoque mínimo, as tarefas dependentes desses itens podem ser interrompidas e o hospital pode falhar ao oferecer seus serviços – os quais são especialmente delicados. Portanto, o estoque mínimo deve ser monitorado e mantido de forma constante para evitar que a instituição de saúde seja prejudicada à primeira ocorrência de circunstâncias não planejadas.

Portanto, o principal objetivo de fixar o estoque mínimo de materiais é garantir que a quantidade necessária de cada item esteja disponível o tempo todo. E, para isso, precisamos saber como calculá-lo:

Como calcular o estoque mínimo?

Duas etapas são necessárias para se obter a quantidade de estoque mínimo da sua instituição:

Primeiramente, devemos descobrir qual é o consumo médio diário do hospital. Para isso, você deve dividir o consumo das mercadorias em um determinado período pelos dias desse período.

Só ao determinar esse valor podemos, então, calcular o estoque mínimo, o qual corresponde à multiplicação do consumo médio diário x tempo de reposição.

A sua organização deve, portanto, planejar a compra de materiais considerando também o período esperado de entrega das mercadorias. Dessa forma, o estoque mínimo permanece no nível adequado para atender a imprevistos a qualquer momento.

É importante pontuar, no entanto, que garantir o nível de estoque mínimo não significa ter produtos em excesso no inventário para que os mesmos não faltem. Compreende, antes de mais nada, o equilíbrio, uma vez que ambos, a escassez e o excesso, são danosos. O excesso também representa um problema na medida em que pode levar a produtos ultrapassados e vencidos que não poderão mais ser utilizados.

Diante disso, podemos perceber que o cálculo, em si, aparenta simplicidade. Difícil mesmo é fazê-lo funcionar na prática. Afinal, o consumo médio em uma instituição de saúde pode variar muito dependendo do dia, do mês ou da época do ano. Por isso, determinar com precisão os valores para calcular o estoque mínimo acaba por se tornar um desafio, uma vez que os números podem ser imprecisos e os cálculos demandam tempo para serem feitos e refeitos constantemente.

Dessa forma, a solução mais indicada é a implementação de um controle de inventário eficiente, o qual facilite as operações diárias ao monitorar o estoque e executar cálculos de maneira confiável. Mas como isso pode ser feito?

Mantendo um controle de estoque eficiente

Ter controle sobre o inventário é uma ação básica e crucial para todo negócio, independentemente de seu tamanho, tendo em vista que a compra de suprimentos representa uma grande despesa e tem forte influência sobre o sucesso das operações. Quando uma instituição conta com um controle de estoque eficiente, ela consequentemente apresenta o domínio esperado sobre seus níveis de estoque mínimo!

Existem duas maneiras de executar o controle de inventário: manual ou automaticamente. Diante de tudo o que foi discutido até aqui, já sabemos que o método manual não apresenta a credibilidade esperada e estão sempre sujeitas a erros. Tanto por parte do registro de materiais como na realização de cálculos.

Assim, as soluções em software ajudam as empresas a maximizar sua produtividade, eficiência e lucratividade, com um controle de estoque prático e eficaz.

Essas soluções de inventário automatizam o processo de rastreamento dos itens em estoque, incluindo também variados recursos, como o uso de curvas de análise – as quais classificam o inventário levando em consideração diversos critérios; a coleta de dados para que você possa realizar a previsão de demanda (aplicada para antecipar as demandas futuras do seu estoque); a data de vencimentos de medicamentos; o envio de alertas no momento certo de comprar os suprimentos necessários etc.

Todos esses recursos auxiliam a garantir o estoque mínimo através do monitoramento constante das movimentações de inventário. Assim, seu hospital pode manter as operações diárias sem interrupções, assegurando também um serviço de qualidade aos pacientes!

Por essa razão, mais e mais empresas, de todos os tipos, dão prioridade a um sistema de controle de inventário eficiente ao invés de fazê-lo manualmente.

Acesse nosso blog sobre a melhor solução para fazer uma gestão de estoque descomplicada e saiba mais como modernizar e aperfeiçoar o gerenciamento de suprimentos da sua instituição!